Companhia dos Aposentados

Tribuna dos Aposentados, Pensionistas e Trabalhadores do Brasil

PROPOSTA DE ALIANÇA ENTRE APOSENTADOS E DEPUTADOS



Sou um cidadão brasileiro maior de 84 anos de idade, com minhas faculdades mentais ainda preservadas, aposentado do INSS e com todos os meus impostos devidamente quitados. Colaboro ainda na seleção de candidatos através do meu comparecimento às urnas, condições estas que me dão todo o direito de opinar, de forma educada, sobre a política praticada por nossos parlamentares, que tinha como obrigação moral e constitucional, prestar de forma igualitária, bons serviços para toda a população brasileira!

A única coisa que me diferencia dos demais cidadãos e que me deixa marginalizado e desconectado do direito à cidadania, é a minha triste condição de aposentado do INSS (RGPS), que, como todos sabem, não é reconhecido, tendo sido nestas últimas duas décadas a categoria mais desprezada, esquecida, sacaneada, ignorada e perseguida pelos Poderes Executivo e Legislativo!

Selecionei vossas excelências da Câmara dos Deputados, analisando criteriosamente  seus eloquentes pronunciamentos e apartes, notadamente agora quando a maioria está contrária a Reforma da Previdência, que não fala  como pretendem ressarcir àqueles aposentados que por força das sua maiores contribuições ao INSS, conquistaram uma aposentadoria acima do salário mínimo. E, como é público e notório, essa perversa degradação instituída de defasar as aposentadorias acima do salário mínimo, na sórdida intenção de nivelá-las todas ao piso, já ultrapassou o percentual de 80%. Sobre este desagravo e como solucioná-lo, se omitem e nada falam! Só cogitam tirar mais direitos dos trabalhadores ativos e principalmente inativos, numa reforma que não corrige desacertos e vícios, ao contrário, torna a Previdência que deveria ser a guardiã de todos trabalhadores, num castigo oneroso demais para quem trabalhou 35 anos ou mais para o engrandecimento do nosso país.  

Gostaria, fazendo uma proposta a vossas excelências que é a mesma de dez milhões de segurados da Previdência, que os senhores se unam, constituindo-se numa sólida equipe de defensores, priorizando os problemas dos aposentados da Previdência, inserindo nos seus brilhantes discursos, diariamente, a necessidade de fazer-se justiça a esses escorraçados cidadãos. Somente assim, os indefesos aposentados poderão ter alguma chance de superar a inexpugnável barreira obstrutiva que colocaram à nossa frente, ganhando alguma representatividade política, porque, na realidade, só temos dois parlamentares atuantes, que estão diariamente defendendo nossos direitos: o senador Paulo Paim - PT(RS) e o deputado Arnaldo Faria de Sá - PDT(SP). 

Convenhamos, é muito pouco para um total de 594 congressistas, que ignoram os aposentados! Por este motivo nunca tivemos chance de ver algum projeto de lei a nosso favor que fosse aprovado, como também nunca tivemos a derrubada de algum veto presidencial que nos favorecesse. Falem com exaustão em nossa defesa, conectando-nos novamente à cidadania que todo cidadão brasileiro é merecedor, porque, estamos já há dezoito anos tendo o nosso poder de compra defasado, graças a essa covarde indecência de corrigir-se aposentadorias do setor privado com dois percentuais diferentes. É intenção de desgovernos nivelarem todas as aposentadorias do RGPS em apenas 01 (um) salário mínimo. Quanta perversidade e injustiça contra velhinhos aposentados!...

A categoria dos discriminados aposentados agradecem penhoradamente a receptividade que for dado a esta justa e procedente proposta que ensejará a vossas excelências prestarem-nos a justiça que ora carecemos, devolvendo-nos, nossa dignidade violentada, ultrajada e indevidamente usurpada...

Almir Papalardo.

O APOSENTADO E A FÁBULA


Era uma vez...

Conta-nos a fábula de Monteiro Lobato, 'Os Animais e a Peste'', que num determinado período no lendário "Reino Animal", a peste fazia um estrago danado, dizimando seus habitantes! Todos os animais muito assustados, temendo ser o motivo da epidemia um castigo dos deuses, resolveram criar um tribunal para julgar e condenar uma fera ao holocausto. Esperavam assim aplacar a fúria divina. O animal condenado deveria ser entre todos, julgado o mais cruel, o maior predador, o maior responsável pela temível peste!

Todas as feras fizeram então suas confissões narrando as maiores atrocidades cometidas. Dentre todos os animais, feras carniceiras e assassinas, foi considerado culpado um pobre burrico pelo único crime de ter comido uma folha de couve da horta do senhor vigário. Assim, sacrificaram o infeliz burrico, apontado como o verdadeiro culpado pela propagação da peste. Moral da história: "Aos poderosos tudo se desculpa, aos miseráveis nada se perdoa", ou ainda: "A corda sempre arrebenta do lado mais fraco".

Exatamente é o mesma coisa que acontece com os aposentados. São considerados os únicos culpados pelo deficit que juram existir na Previdência. O único pecado dos aposentados é receber proventos acima do salário mínimo, o que também pode ser comparado ao crime do burrico, que comeu uma única folha de couve  do senhor vigário. São os aposentados pacatos como o humilde e inocente burrico, e igualmente indefesos, sem forças físicas ou maiores recursos financeiros para se defenderem. 

São de fato os aposentados o lado mais fraco da contenda, fácil de manipular, de serem discriminados para que possam tranquilamente desviar das contas previdenciárias recursos para outras contas, não ligadas aos trabalhadores. Dizem que um dos desvios é para suprir o 'bolsa família', o que seria até muito louvável se fizessem o desvio de outras fontes, não prejudicando demais os aposentados e trabalhadores ativos. É o exemplo típico de outro provérbio popular que diz: falham ao teimar o uso um cobertor curto, porque, cobrindo a cabeça, descobre-se os pés. 

Nestas últimas duas décadas os aposentados que deveriam ser exaltados por tudo o que fizeram pelo crescimento do Brasil, são desprezados, humilhados, desamparados por autoridades acomodadas, que só deveriam fazer a justiça prevalecer, mantendo a qualquer custo a igualdade na distribuição de renda, entre todas as camadas da população. A cota de sacrifícios ou a fartura, deveriam ser divididas igualmente entre todos os segmentos da sociedade. Não se pode melhorar o poder aquisitivo de uns aposentados, tirando dos outros aposentados para nivelar aposentadorias. Se há aposentadorias com valores diferentes, é perfeitamente justo e explicável pelas contribuições diferenciadas de todos durante todo o tempo de atividade. Não se pode enriquecer o pobre, empobrecendo o rico! Isto, socialmente, é no mínimo imoral! Falta inteligência e coerência nesses homens públicos de mentes tacanhas!

Que setores, principalmente os dos poderes públicos, com seus altíssimos salários, concordariam em ter todos os anos em vez de aumentos reais que tanto cobiçam, terem só reduções nos seus proventos?  Nenhum, claro! Aí não convém mexer com outras categorias para não criar insatisfações e confronto de forças. Vamos então sacrificar os aposentados já que são improdutivos mesmo! Em outras palavras: Não trabalham, logo, não têm o direito de fazer reivindicações!

# Que país é este em que o Congresso concorda com a desvinculação do reajuste de um terço dos aposentados, ao  reajuste do salário mínimo, excluindo do perverso desvínculo os outros dois terços de previdenciários, embora todos estes aposentados pertençam ao mesmo RGPS? Seria a mesma coisa se uma empresa idônea, coerente, corrigisse o salário de seus empregados aumentando com maior percentual os que ganham menos, punindo os que ganham mais, com um percentual menor! Parece justo! Mas não é, se considerarmos a produtividade e a jornada de cada trabalhador. Será que não existiam parlamentares de visão que enxergassem que no futuro um achatamento brutal e desumano seria o resultado deste insano procedimento? Será que não pressentiram que o resultado final desta monstruosidade geraria uma inevitável insatisfação geral e revolta entre aposentados, pensionistas e familiares? E os parlamentares de hoje? Bisonhos, nada fazem para derrubar este nefasto sistema de dois percentuais diferentes na correção das aposentadorias. 

# Que pais é este em que os parlamentares alardeando a necessidade premente de conter gastos públicos, aprovam com a rapidez de um raio reajustes para seus próprios salários, com índices de correção indecentes e escandalosos, enquanto, estipulam para o salário mínimo uma correção mínima, que mais parece um deboche e um forte entrave para a vida profissional do trabalhador?

# Que país é este que a Câmara dos Deputados esconde projetos de aposentados que já foram há muito aprovados com unanimidade no Senado Federal? Cadê o entrosamento necessário para a soberania da nação entre essas duas Casas Legislativas? Uma discute e aprova projetos e, a outra, não admite nem sequer que estes mesmos projetos constem das pautas de votação!!  

# Que país é este em que não  procura corrigir as injustiças cometidas na justiça trabalhista? Falta a boa vontade de fazer as coisas justas e certas. A justiça humana é implacável contra os fracos e oprimidos, mas não é capaz de pôr as mãos num grande, num poderoso. Vemos homens públicos ao serem pilhados em falcatruas, em vez de serem punidos exemplarmente, são afastados e premiados com aposentadorias astronômicas.
 
# Que país é este que empurra seus aposentados para baixo com o esdrúxulo argumento de melhor distribuição de renda com aumentos reais do salário mínimo, tirando, entretanto, do aposentado/burrico que ganha um pouquinho acima do piso, em vez de tirar dos verdadeiros marajás que estão sugando as tetas do Brasil com super e astronômicos salários? Um país que quer ser grande e justo tem que considerar seus idosos e crianças como cidadãos intocáveis, os últimos cidadãos a serem atingidos quando há necessidade para se contornar qualquer crise que ameace o país!

É por isso que o exemplo e o ensinamento moral desta fábula podem perfeitamente serem adequados à história do aposentado, o maior sacrificado pelos Poderes Públicos! O nosso Monteiro Lobato deveria estar muito inspirado, quando a criou: -Atirou no que viu e acertou no que não viu-.

Almir Papalardo.

GOLPES NA PREVIDÊNCIA

GOLPES NA PREVIDÊNCIA 

A Previdência Social  foi instituída com a nobre missão de proteger todos os trabalhadores brasileiros, seja da iniciativa privada, do setor rural, dos militares, dos autônomos, dos servidores públicos. Enfim, de todos que estão nela cadastrados.
  
Esta proteção na verdade, burlando as regras do contrato assinado entre o empregador, o trabalhador e o INSS, não está preservando os direitos de um terço dos aposentados da iniciativa privada, que sabemos, é o único setor superavitário da Previdência. 

Ao contrário, está prejudicando mais de nove milhões de segurados, concedendo-lhes um percentual de reajuste muito inferior aos outros dois terços de previdenciários que ganham o mesmo índice dado ao salário mínimo, conforme pode-se comprovar na planilha abaixo.

 
UMA VERGONHA PATENTEADA NA PREVIDÊNCIA SOCIAL
 
 
Anos
Percentual de aumento para 2/3 de aposentados que recebem o salário mínimo
Percentual de reajuste para 1/3 de aposentados que recebem acima do salário mínimo
1998
8,33%
4,81%
1999
4,62%
4,61%
2000
11,03%
5,81%
2001
19,21%
7,66%
2002
11,11%
9,02%
2003
20,00%
17,71%
2004
8,83%
6,62%
2005
15,38%
6,35%
2006
16,67%
5,01%
2007
8,57%
3,30%
2008
9,21%
5,00%
2009
12,05%
5,92%
2010
9,67%
7,72%
   2011
       6,86%
        6,47%
    2012
     14,13%
        6,08%
    2013
       9,00%
        6,20%
    2014
       6,78%
        5,56%
    2015
       8,84%
         6,23%
    2016
     11,67%
      11,28%
    2017
        6,48%         6,58%
TOTAL
   218,44%
    137,94%

Contra provas concretas não há argumentos. Pela tabela ao lado, apresentando percentuais verdadeiros, os aposentados discriminados arcam com uma defasagem de  80,50%, que vêm engolindo a seco nestes últimos 19 anos, um nocivo preconceito que compromete seriamente a nossa justiça social, colocando em dúvida a competência administrativa dos responsáveis pela discrepância que a referida planilha acusa! Quais as mentes prodigiosas que foram capazes de criar tal monstro na manutenção de proventos?
Nivelarem todos os aposentados com 01 (um) salário mínimo???

...Isso pode Arnaldo?? plagiando um famoso narrador esportivo..

Almir Papalardo
MEU COMENTÁRIO:

Nós, aposentados e pensionistas do RGPS, estamos sempre culpando somente o governo, nos esquecendo de que tudo o que acontece de ruim contra a nossa classe, tem a conivência e o aval  do Congresso Nacional, através dos "representantes" do povo. Todos os pacotes de maldades, tiveram e têm a aprovação da classe de Deputados e Senadores, que, para aprová-los, sempre recebem o seu "por fora," a fim de concordarem com tamanhas barbaridades contra os ex-trabalhadores, hoje aposentados. As "excelências" se esquecem de que, para nós chegarmos a galgar uma aposentadoria, trabalhamos duro durante 35 ou 40 anos de vida laboral, contribuindo com grandes sacrifícios para o INSS, a fim de que, quando chegássemos ao ocaso de nossas vidas, tivéssemos uma aposentadoria digna. Este detalhe tão importante para nós, não interessa aos senhores "representantes do povo,"
que somente olham para os seus umbigos, sempre na busca de se darem bem. 

Meus caros "velhinhos" e trabalhadores atuais, futuros aposentados, VAMOS ACORDAR. a nossa cobrança não deve ficar somente apontando para o dono da caneta, aquele que SANCIONA as maldades aprovadas pelo Congresso Nacional. As nossas baterias têm que estar voltadas para os dois lados, o do que manda para o Congresso e o dos que aprovam no Congresso.

As eleições estão próximas. Em 2018, nós teremos a oportunidade de RENOVAR esse Congresso PODRE que aí está. Poucos são os Deputados e Senadores que merecem uma reeleição. Precisamos fazer chegar até eles, o nosso repúdio àqueles que APROVAM de olhos fechados, tudo que o Executivo propõe. A eles não importa se vai fazer bem ou mal, principalmente, o mal ao povo, seus eleitores. O que lhes interessa, é o que eles vão receber em troca de uma votação.

RENOVAR O CONGRESSO NACIONAL, É UMA NECESSIDADE IMPERIOSA!

Odoaldo Passos
Aposentado revoltado e idealizador do Blog



MEIRELLES: É MELHOR PARA TODOS QUE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA SEJA APROVADA AGORA


ESSENCIAL
MEIRELLES: 'É MELHOR PARA TODOS QUE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA SEJA APROVADA AGORA'
MINISTRO DA FAZENDA PARTICIPA DE EVENTO EM WASHINGTON, NOS EUA
Publicado: 13 de outubro de 2017 às 16:07
Redação
  •  
  •  
  •